Unidade de higienização em Jandira traz mais praticidade e economia aos clientes da HB-SMR

Local tem espaço físico total de 3.800m² e capacidade para higienizar 1.320.000 caixas por mês

Inaugurada em março deste ano, a nova unidade de higienização da HB-SMR, localizada em Jandira, região metropolitana de São Paulo, promete trazer mais praticidade, comodidade e economia aos seus clientes. Com isso, as caixas dos produtores da região não precisam ser entregues nas unidades de São José dos Pinhais ou Cambé, o que simplifica o processo logístico.

Além de realizar a higienização das caixas, o local também se tornou um Centro de Distribuição, facilitando para os produtores a retirada das caixas. Em relação à logística, o local e acesso à unidade foram escolhidos estrategicamente. De acordo com Marcelo Reguero, diretor de operações da HB-SMR, a proximidade estreita a relação técnica e comercial com os clientes.

“O principal benefício desta planta é reduzir os impactos logísticos em nossa operação e, consequentemente, os riscos envolvidos no transporte, pois antes havia uma considerável distância entre os clientes e a planta de são José dos Pinhais. Estávamos a 450 km de nossos principais clientes. Agora, temos a vantagem de estarmos próximos, o que estreita o relacionamento”, afirma Reguero.

Estrutura

A nova unidade conta com estrutura própria e tem capacidade para higienizar 1.320.000 caixas por mês. Com espaço físico total de 3.800m², o local tem capacidade de estacionamento para até 10 caminhões simultaneamente, o que causa um aumento exponencial na capacidade de carregamento e descarregamento.

Segundo Reguero, a estrutura da nova unidade e a localização atraem novos clientes, permitindo que se beneficiem dos serviços prestados pela marca. “Passamos de uma doca de abastecimento do antigo Centro de Distribuição para cinco docas na unidade de Jandira. Isso com certeza atrairá novos clientes, além de estarmos presentes no maior centro produtor e logístico do Brasil, que é São Paulo”, destaca.

Processo de Higienização

O processo de higienização realizado nas unidades é certificado por meio de laudos laboratoriais, emitidos de acordo com as regras da ANVISA. Os testes realizados compreendem a avaliação microbiológica da superfície das caixas para coliformes, bactérias, bolores, leveduras e salmonela, além da proteção contra o coronavírus.

A segurança alimentar é um dos pilares do processo de higienização. As embalagens são lavadas em máquinas sustentáveis e a água que é lançada no corpo receptor segue os parâmetros legais de descarte, passando por tratamento específico.

Com a construção da nova unidade, o tempo em que uma caixa fica suja também é menor, reduzindo ainda mais a proliferação de vírus e bactérias no ambiente. outro fator positivo é a diminuição do impacto ambiental no transporte das caixas, como destaca o diretor. “Além das reduções de custos, temos menos impacto ambiental inerente ao transporte (óleo diesel, pneus, entre outros). Dessa forma, ficamos mais próximos dos nossos clientes, facilitando o retorno das caixas sujas”, finaliza.

Você pode se interessar também

Cadastre-se

Receba nossas novidades por e-mail e saiba mais
sobre como estamos inovando no setor de embalagens